Início » Serial Killers » Andrei Chikatilo, o professor soviético que se tornou um serial killer

Andrei Chikatilo, o professor soviético que se tornou um serial killer

Andrei Chikatilo é o mais famoso assassino em série russo. Conhecido por comer pedaços de suas vítimas, seus crimes chocam pela violência contra mulheres e crianças.

A história de Andrei Romanovich Chikatilo é uma das mais perturbadoras quando o assunto é assassinato em série. Extremamente cruel, ele violentou, assassinou, esquartejou e até comeu alguns dos pedaços de suas 53 vítimas.

De origem ucraniana, seus crimes ocorreram entre 1978 e 1990, e tinha como vítimas apenas crianças e mulheres.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

História de vida e cenário político da época

Nascido na vila de Yabluchnoye, antiga União Soviética, Andrei Chikatilo conviveu de perto com a fome. A Segunda Guerra Mundial e as políticas agrárias da época dilaceraram várias famílias, e a mãe de Andrei, Anna, contou a ele que seu irmão foi devorado pelos vizinhos num ato de canibalismo, tamanha era a fome da população.

Seu pai Roman, militar russo, acabou sendo aprisionado durante a Segunda Guerra Mundial, deixando a incumbência de criar os filhos somente para Anna – fato nunca bem aceito por Andrei.

Não se sabe se a história sobre o irmão era verdadeira ou apenas um devaneio da mãe, nunca foram encontrados registros do nascimento de Stepan, e anos depois sua mãe entrou em um quadro severo de demência. Na escola, apesar de ótimo aluno, era tímido e tinha dificuldade em fazer amigos.

Constantemente Andrei sofria bullying dos colegas por ter incontinência urinária, os atos iam de humilhações em público até agressões físicas.

Na adolescência, o garoto descobriu um quadro de impotência sexual que veio para completar o pacote de baixa autoestima que carregava desde a infância. Isso fez com que ele focasse muitos nos estudos, enquanto os colegas estavam conquistando as primeiras namoradas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Andrei chegou a confessar que tentou ter relações sexuais com meninas da sua escola na época, mas todas as tentativas foram frustradas pela impotência.

Professor de séries iniciais e membro do partido comunista

No início da fase adulta casou-se e teve dois filhos, segundo rumores as crianças foram concebidas de maneira não usual: Andrei teria se masturbado e depois introduzido o sêmen na parceira com o uso de uma seringa.

Andrei Chikatilo, sua esposa e um dos filhos. / Foto: Reprodução.

Já na fase adulta, aos 34 anos, Andrei era professor de séries iniciais e isso o deixava muito perto de crianças. Ele passou a desenvolver um desejo sexual obscuro e chegou a ser expulso de uma das escolas acusado de molestar um aluno.

Desempregado e convicto de que havia sido demitido por fazer parte do partido comunista, Andrei e a família se mudaram para Shakhty e compraram uma casa no campo. A região era cercada por uma floresta e foi ali que Andrei fez sua primeira vítima.

Andrei Chikatilo mata uma menina de 9 anos

Sua primeira vítima foi uma garota de nove anos de idade. Andrei a abordou em uma parada de ônibus às margens da rodovia, quando percebeu que ela havia perdido o ônibus escolar, lhe ofereceu uma carona e a disse que quando chegassem na casa dela, ele explicaria tudo para a sua mãe, evitando assim que ficasse de castigo pelo atraso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Andrei a levou para dentro da floresta com a desculpa de que seu carro estava estacionado do outro lado das árvores. Então Chikatilo a violentou, cortou sua língua e desmembrou seu corpo. Sequer se preocupou em ocultar o cadáver, deixando-o ali em meio a floresta.

Trabalhando para o partido comunista Russo

Suas falas nada convencionais e por vezes tão enraizadas em ideais comunistas lhe renderam um convite para um cargo de confiança no partido. A partir desse momento, Andrei passou a viajar muito de trem pelo país e novos assassinatos começaram a se espalhar pelo território soviético.

Seus alvos preferidos eram crianças e prostitutas, elas eram capturadas em pontos de ônibus e estações de trem. Eram mutiladas, seus olhos eram perfurados, pedaços de seus corpos eram arrancados a mordidas e os restos mortais eram abandonados na floresta.

Ele amarrava as vítimas com os braços para trás e tentava estuprá-las, após fracassar por causa de sua impotência, as esfaqueava repetidamente. Em alguns casos, desfigurava os órgãos genitais de suas vítimas e dilacerava suas línguas para que não pudessem gritar.

A crueldade de seus crimes era tamanha, que muitas pessoas achavam que as mortes haviam sido provocadas por animais de grande porte que viviam na floresta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A situação no país começou a se tornar insustentável e as famílias das vítimas estavam desesperadas por respostas. No entanto, o partido comunista se recusava a admitir que havia um criminoso em série a solta, já que naquela época, no auge da Guerra Fria, a União Soviética encobria qualquer acontecimento que pudesse manchar a imagem de seu país.

Mikhail Fetisov e a prisão de Andrei Chikatilo

Porém, diante da pressão popular foi necessário aumentar esforços, então a polícia,sob liderança de Mikhail Fetisov, traçou o perfil do assassino e passou a coletar esperma de todos os homens que ali se encaixassem na tentativa de obter semelhança com o material genético encontrado nas cenas.

A tecnologia da época não oferecia grande clareza sobre os resultados, basicamente as amostras apenas eliminavam alguns suspeitos.

A polícia espalhou agentes disfarçados em estações de trem do interior e no dia 19 de Novembro de 1990, Andrei foi visto saindo de uma floresta com o rosto e roupas cobertos por sangue.

Ele disse a polícia que costumava abater animais de caça, porém essa história não convenceu as autoridades, mas que sem provas foram forçadas a liberá-lo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tudo mudou no dia seguinte, quando mais um corpo foi encontrado no local. Em 20 de Novembro de 1990, Andrei Chikatilo foi preso, mas seguia negando qualquer acusação e levando tudo para o viés político, onde ele seria apenas uma vítima daqueles que eram contra o comunismo.

A polícia de Rostov decidiu pedir ajuda do psiquiatra Alexander Bukhanovsky para conseguir uma confissão de Chikatilo. Pela lei soviética da época, eles tinham dez dias para que o acusado admitisse o crime. Até o nono, nenhum avanço. Foi aí que Bukhanovsky entrou em cena e Andrei confessou.

“Eu expliquei a ele que eu não era seu inimigo, nem um advogado. Em linguagem médica, eu sabia a diferença entre culpado e errado.”

Bukhanovsky ao “Biography Channel”, em 2004.

Julgamento e sentença de morte

Ele confessou como assassinou cruelmente 56 pessoas, mostrando toda a selvageria de seus atos e dando detalhes, tudo isso enquanto se deleitava em sorrisos. A polícia, entretanto, encontrou somente 53 corpos.

Andrei Chikatilo algemado e dentro de uma jaula durante seu julgamento. / Foto: Reprodução.

Seu julgamento levou 6 meses, e como é comum nestes casos, vide por exemplo as histórias de Ed Kemper e Aileen Wuornos, a defesa tentou alegar insanidade mental do réu.

Mas durante seus depoimentos, ele se mostrou totalmente capaz de compreender a crueldade de seus atos e a forma como falava dos crimes mostrava o quanto sentiu prazer em cometê-los.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A revolta dos familiares das vítimas fez com que ele ficasse dentro de uma jaula com grades de ferro durante o depoimento. Em um determinado momento, o criminoso chegou a abaixar as calças e mostrar os órgãos genitais para o público.

O juiz não aceitou a alegação de doença mental, e Andrei foi condenado a pena de morte em 1994. Em 15 de fevereiro do mesmo ano, ele foi levado a uma cela privativa na prisão de Rostov e morto com um único tiro atrás da orelha direita.

Açougueiro de Rostov

Um dos apelidos de Andrei Chikatilo é Açougueiro de Rostov. Sendo Rostov a cidade onde ele cometeu a maioria dos seus crimes.

O erro surgiu após uma análise equivocada da polícia. Os investigadores acharam que uma das vítimas havia sido triturada por uma máquina agrícola. Na verdade, ela foi morta por Chikatilo e teve seu corpo completamente mutilado pelo criminoso.

Curiosidades sobre o caso

Na maioria das vezes, posteriormente ao crime, Chikatilo alimentava-se dos genitais das vítimas. Além disso, costumava dilacerar a língua de suas vítima com os dentes, para impossibilitá-las de gritar por socorro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em seu julgamento, Chikatilo definiu-se como um “aborto da natureza”, “uma besta louca”, ao qual “só restava a condenação à pena de morte, o que seria até pouco para ele”, nas palavras do próprio.

“Quero que meu cérebro seja desmontado pedaço por pedaço, e examinado, de modo que não haja outros como eu”.

Disse Andrei, ao receber a sentença de morte.

Como forma de comemoração aos 300 anos da polícia local, a cidade de Rostov exibe os pertences do “açougueiro” em um de seus museus.

Filme “Evilenko”

Uma obra cinematográfica foi feita com base na história de Andrei Chikatilo. O filme “Evilenko” conta com cenas pesadas de violência sexual e canibalismo, mas se você, assim como eu tem curiosidade sobre o assunto vale a pena assistir.

Trailler do filme “Evilenko”, 2004.