Início » Casos Bizarros » Mãe fingiu por 23 anos que sua filha era deficiente — Dee Dee e Gypsy

Mãe fingiu por 23 anos que sua filha era deficiente — Dee Dee e Gypsy

Gypsy foi forçada por sua mãe, Dee Dee, durante 23 anos a fingir ser deficiente. Para se livrar dessa mentira, a filha decidiu matar a mãe.

Gypsy Rose nasceu em 27 de julho de 1991, em Luisiana, Estados Unidos. Ela era filha de Dee Dee Blanchard, uma mãe solteira que a criou sozinha desde bebê. Durante 23 anos Dee Dee fingiu que Gypsy era incapacitada e cronicamente doente, lhe sujeitando a cirurgias e medicações desnecessárias.

Entao Gypsy, após 23 anos vivendo nessas condições, não conseguia mais suportar o abuso psicológico da sua mãe. Para resolver isso, combinou juntamente com seu namorado Nicholas Godejohn, que conheceu através da internet, em matar ela para cessar com todas essas mentiras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Gypsy Rose é um assassina?

Gypsy já estava cansada sobre as histórias falsas de sua mãe sobre o seu estado de saúde. Desde criança Dee Dee Blanchard fingia que sua filha era muito doente, com um longo histórico médico, incluindo problemas como epilepsia, anemia, leucemia, retardo mental e muitas outras.

Inclusive Gypsy andava em uma cadeira de rodas, mas conseguia andar perfeitamente, como qualquer outra pessoa. Essa era a única coisa que ela sabia que realmente era mentira, no mais ela acreditava fielmente em sua mãe.

A doença, na verdade, estava sempre na mãe: Síndrome de Munchaüsen por procuração. Trata-se de um transtorno no qual a pessoa acredita que alguém sob sua tutela tem uma doença física ou mental, agindo como se isso fosse realmente verdade.

Gypsy nunca teve possibilidade de escolha, muito antes de desenvolver uma idade mínima para ter sensatez e discernimento, sua mãe já lhe usava como um fantoche para adquirir atenção, benefícios do governo e órgãos de caridade.

O cabelo da filha era raspado, para tentar imitar uma pessoa doente. Sua mãe dizia que devido as suas doenças era melhor raspar, já que iria cair de qualquer jeito. Gypsy acreditava, afinal era só uma criança.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pai de Gypsy

Gypsy tinha o pai vivo, porém o casal era separado e ele não convivia com a filha. Ela também tinha contato com outros familiares, porém conforme relatos, Dee Dee sabia enganar muito bem, era uma profissional nisso. Eles realmente acreditavam que a garota tinha câncer.

Seu pai se importava muito com ela, porém Dee Dee lutava forte para manter ele e sua nova mulher afastados da filha. Ele ajudava monetariamente a menina, mesmo após ela adquirir a maioridade.

Como Dee Dee fazia para enganar

Gypsy aparentava ter uma idade muito menor do que realmente tinha, e a princípio ela também acreditava que era pelo menos uns cinco anos mais nova. Em um relato, seu pai disse que no aniversário de 18 anos da filha, foi instruído pela Dee Dee a não citar a idade que ela estava fazendo, pois ela acreditava que era seu aniversário de 14 anos.

Alguns médicos que atenderam as duas, começaram a suspeitar que Gypsy era uma pessoa normal, ela tinha a musculatura da perna tal como a de uma pessoa que caminhava. Como solução para isso, Dee Dee trocava de médico, até encontrar um que acreditasse em suas maluquices.

Gypsy tinha todas as características de uma pessoa deficiente graças a ornamentação da sua mãe, que quase nunca deixava ela sozinha, para evitar ao máximo que a menina tivesse a oportunidade de contar a verdade para alguém.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando iam conversar com alguma pessoa, normalmente Dee Dee segurava a mão da filha e lhe apertava caso falasse algo que não ajudasse no seu teatro.

Porém Gypsy foi ficando cada vez mais velha e se desenvolvendo como mulher, com isso veio o desejo de se relacionar com homens. Ao mesmo tempo sua mãe não deixava que tivesse contato com outras pessoas.

A solução encontrada por ela foi utilizar sites de relacionamentos enquanto sua mãe dormia. Foi quando conheceu Nicholas Godejohn em um site cristão. Os dois conversaram por dois anos e aparentavam ter bastante afeto entre eles.

Como ocorreu o crime

Gypsy já vinha pensando em diversas maneiras de se livrar da sua mãe, e foi através de Nicholas que se concretizou a principal delas: matar Dee Dee. Quem realizaria o assassinato seria o próprio Nicholas, com a ajuda da garota.

Em uma noite comum na rotina das duas, elas estavam fazendo uma as unhas uma da outra enquanto Gypsy já tinha todo o assassinato planejado. A garota agiu friamente e não levantou suspeitas por parte da sua mãe. A forte medicação que ela tomava provavelmente ajudou nisso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Então naquela madrugada, Nicholas Godejohn, em 2015, entrou pela porta da frente conforme instruções da Gypsy que havia deixado destrancada, e com uma faca de cozinha foi até o quarto de Dee Dee e deferiu diversas facadas a mulher que estava dormindo.

Houve tempo de Dee Dee gritar por socorro, mas Nicholas prosseguiu com o ato. Enquanto isso Gypsy estava deitada no chão do banheiro em posição fetal aguardando a conclusão do assassinato.

Após o assassinato, os dois foram embora da casa e se hospedaram em um hotel da região enquanto agiam normalmente. Conforme a conclusão da policia, eles não pareciam ter um plano do que fazer após isso, o principal objetivo era simplesmente desprender Dee Dee de Gypsy.

Depois do hotel foram para a casa dos pais de Nicholas, que não notaram nada suspeito.

Gypsy faz uma postagem estranha em sua rede social

No mesmo dia que matou sua mãe, Gypsy fez uma postagem muito estranha em seu Facebook. A mensagem na sua forma traduzida dizia: “a puta está morta”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso preocupou as pessoas, porque era algo totalmente atípico na postura das duas. Dessa forma, muitos ficaram preocupados, e alguns inclusive foram até a casa delas para verificar o que estava acontecendo, porém ao tocar a campainha, ninguém atendia. E para piorar a situação, Gypsy não respondia mais ninguém pelas redes sociais.

A preocupação foi tanta que a polícia precisou ser acionado. Diante dos fatos, pouco tempo depois conseguiram um mandato para poder entrar na casa. E para surpresa de todos, Dee Dee estava morta em sua própria cama enquanto Gypsy estava sumida.

A essa altura ninguém entendia mais o que estava acontecendo, e a preocupação se voltou em encontrar Gypsy, já que provavelmente ela seria uma peça chave para desvendar essa situação.

Por isso, a polícia foi atrás dela e conseguiu achá-la em pouco tempo. Quando encontraram-na, Gypsy estava muito bem e inclusive caminhando, o que deixou a história mais confusa para todos. Porém Gypsy rapidamente confessou toda a história e inclusive assumiu a autoria do assassinato.

Julgamento

Gypsy se declarou culpada pela morte da mãe. No veredito ela pegou pena mínima, de 10 anos de prisão por homicídio de segundo grau. O resultado foi um alivio para ela, pois ela poderia ter pego até pena de morte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sua liberdade condicional provavelmente ocorrerá em 2022, quando estará com 33 anos.

Já Nicholas Godejohn, quem deu as facadas em Dee Dee, em um julgamento muito menos midiático recebeu uma pena muito mais dura, prisão perpétua. Ele ainda tenta recorrer para uma atenuação na pena.

Gypsy Rose atualmente.