Início » Crimes Cruéis » Christa Pike, matou uma colega em um ritual satânico

Christa Pike, matou uma colega em um ritual satânico

Christa Pike atraiu uma colega de escola para floresta na companhia de amigos. Chegando lá, atacou a vítima e tatuou um símbolo satânico em seu corpo.

Christa Gail Pike nasceu em 10 de março de 1976 em West Virginia, EUA. O pai não participou de sua infância, e a mãe, Carissa Hansen era alcoólatra, viciada em drogas e costumava passar as noites em bares e festas.

Até seus 12 anos, Christa era uma criança normal e feliz. Tudo mudou quando precisou ir morar com sua mãe, após o falecimento da avó materna que sempre a criou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo relatos, logo na primeira semana em que passou com a mãe foi estimulada a usar drogas. Ela passava as noites na rua fumando maconha, sempre rodeada de usuários de drogas que, muitas vezes, eram apresentados pela própria mãe.

Christa abandonou a escola, constantemente estava bêbada e também relatou sofrer violência física de um dos namorados de Carissa.

Adolescência conturbada e reformatório

Não demorou muito para que Christa Pike fosse presa por furto, cumprindo 30 dias de detenção em um reformatório juvenil. O período que ficou detida fez muito bem a ela, pois lá não havia acesso a drogas e ela passou a se interessar por atividades de reabilitação.

Christa começou a integrar um programa sócio educativo chamado Job Corps, destinado a jovens de baixa renda que recebiam moradia e auxílio financeiro enquanto se especializavam em cursos técnicos.

Lá ela conheceu Tadaryl Shipp, ele era um ano mais novo e também participava da reabilitação. Os dois começaram a namorar e desenvolveram um fascínio por ocultismo e rituais satânicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Shadolla Peterson, de 18 anos, também ficou amiga de Christa e costumava participar das sessões de ocultismo junto com o casal.

Colleen Slemmer, atraída para morte

Christa tinha um comportamento obsessivo em relação ao seu namorado e se mostrava bastante ciumenta. Com o passar do tempo, e sem qualquer motivo aparente, ela passou a insinuar que a jovem Colleen Slemmer, sua colega de curso, estava dando em cima de Tadaryl.

Por isso, ela convenceu Tadaryl e Shadolla de que os três deveriam realizar um “sacrifício humano para os deuses”, e sugeriu que a vítima fosse Collen. Nenhum dos amigos se opôs e eles passaram a traçar um plano.

Em 12 de janeiro de 1995, os três convidaram Collen para beber e jogar conversa fora em uma região mais remota da floresta que ficava ao lado do dormitório. Eles atraíram Collen para o local com a desculpa de que fumariam maconha e lá dificilmente seriam pegos.

Logo que chegaram, Collen percebeu que algo estava errado. Por isso ela tentou se desculpar por qualquer mal entendido, mas antes que pudesse terminar a frase foi atacada por Christa e Tadaryl.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Shadolla ficou vigiando o local enquanto os dois chutavam-na, espancavam-na e por fim matavam-na, arremessando uma pedra em seu crânio. Um pentagrama foi esculpido em seu peito com um canivete e Christa levou parte da calota craniana como um “troféu”.

Sem um pingo de remorso

Vangloriando-se de seu crime, Christa passou a exibir seu troféu para os colegas de curso e amigos. Ela não demonstrava qualquer arrependimento e começou a insinuar que era isto o que acontecia com quem tentava roubar seu namorado.

Os rumores se espalharam rapidamente e em cerca de 36 horas o casal e a amiga foram presos. A polícia encontrou o pedaço da calota craniana da vítima dentro do bolso da jaqueta de Pike. Uma bíblia satânica também foi encontrada no dormitório de Tadaryl.

Na foto, Shadolla, Tadaryl e Christa respectivamente. / Foto: Reprodução.

Logo após sua prisão, Christa confessou a tortura e o assassinato alegando que a ideia era dar somente um susto em Collen mas a situação saiu do controle. A polícia não acreditou na declaração, já que a cena dava muitos indícios de premeditação.

Julgamento

Christa Pike foi acusada de assassinato em primeiro grau e conspiração para cometer assassinato. Em 22 de março de 1996, após apenas algumas horas de julgamento, ela foi considerada culpada em ambas as acusações. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 30 de março do mesmo ano, Christa Pike foi condenada a sentença de morte por choque elétrico pelo assassinato, e mais 25 anos de prisão pela acusação de conspiração. 

Tadaryl Shipp recebeu uma sentença de prisão perpétua com possibilidade de liberdade condicional após 25 anos, já que ainda era menor de idade na data do crime.

Shadolla Peterson, recebeu liberdade condicional por se declarar culpada e colaborar com informações privilegiadas sobre o caso.

Tentativa de assassinato na prisão e fuga

A defesa de Christa Pike tentou apelar de diversas maneiras e conseguiu retardar a execução da pena. Em 24 de agosto de 2001, após uma mudança de cela, Pike tentou matar por estrangulamento outra detenta.

Ela quase conseguiu sufocar Patricia Jones usando um cadarço. Após este episódio recebeu mais uma condenação, desta vez por tentativa de assassinato em primeiro grau.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em março de 2012, uma investigação policial revelou que Christa arquitetava uma fuga com a ajuda de um agente penitenciário. O homem foi preso, mas posteriormente respondeu em liberdade já que alegou colaboração sob ameaça de morte.

Execução programada

Em 27 de agosto de 2020, o escritório do procurador-geral do Tennessee solicitou à Suprema Corte do Tennessee que estabelecesse uma data de execução para Christa Pike. 

Christa Pike em um de seus registros atuais. / Foto: Reprodução.

Os advogados de Pike receberam um adiamento do processo, permitindo-lhes mais tempo para argumentar por que ela não deveria ser executada. O estado não se opôs às extensões. 

Espera-se que o tribunal decida sobre o assunto. Se o veredito for contrário a Christa, ela será a primeira mulher a ser executada no Tennessee em cerca de 200 anos. Ela segue aguardando no corredor da morte.