Shanda Sharer, torturada e morta por quatro adolescentes

A jovem foi torturada e assassinada de maneira cruel quando tinha 12 anos. As quatro adolescentes responsáveis agiram sem um pingo de remorso.

You are currently viewing Shanda Sharer, torturada e morta por quatro adolescentes

ATENÇÃO: o caso a seguir detalha episódios de violência e tortura, se você é sensível a estes temas não continue esta leitura!

Quem era Shanda Renee Sharer?

Nascida em 6 de Junho de 1979, Shanda era filha de Stephen Sharer e sua esposa Jacqueline, mais tarde conhecida como Jacqueline Vaught. Os pais eram separados e ela tinha 12 anos na época do caso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois que os pais de Sharer se divorciaram, sua mãe se casou novamente e a família mudou-se para Louisville. Lá, Sharer frequentou a quinta e a sexta séries na St. Paul School, onde atuou nos times de líder de torcida, vôlei e softball. 

Quando sua mãe se divorciou novamente, a família se mudou em junho de 1991 para New Albany, Indiana, e Sharer matriculou-se na Hazelwood Middle School. 

No início do ano letivo, ela foi transferida para a Escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, uma escola católica em New Albany, onde ingressou no time de basquete feminino. 

Segundo familiares, Shanda era uma jovem normal, comunicativa e tinha facilidade para fazer amigos. Ela adorava os bailes de escola, mas foi uma dessas danças que deu início a uma cadeia de eventos que logo levaria a vida da garota a um fim horrível e torturante nas mãos de quatro adolescentes.

Adolescentes envolvidas no assassinato

Melinda Loveless, 1 das 4 adolescentes envolvidas no assassinato

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Melinda Loveless nasceu em New Albany em 28 de outubro de 1975, a mais nova de três filhas, filha de Marjorie e Larry Loveless. O pai atuou no exército dos EUA durante a guerra do Vietnã, ele era tratado como um herói na comunidade, mas voltou com enormes cicatrizes emocionais.

Marjorie mais tarde o descreveu como uma pessoa com transtornos sexuais, que comprava roupas íntimas e maquiagem para ela e suas filhas e tinha uma mistura de ciúme e fascínio ao vê-la fazer sexo com outros homens e mulheres. 

Os pais Loveless costumavam visitar bares em Louisville, onde Larry fingia ser um médico ou dentista e apresentava Marjorie, sua filha, como namorada. Ele também a “compartilhava” com alguns de seus amigos do trabalho, o que ela achava nojento. 

Marjorie, mãe da família, trabalhava de maneira constante desde 1974. Enquanto ambos os pais trabalhavam, a família estava financeiramente bem, morando no subúrbio de classe média alta de Floyds Knobs, Indiana.

Larry, que era violento e abusivo, geralmente não dividia sua renda com a família e impulsivamente gastava todo o dinheiro que ganhava consigo mesmo, especialmente armas de fogo, motocicletas e carros. Ele pediu falência em 1980.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Membros da família muitas vezes descreveram as filhas Loveless, ao visitar suas casas, como pessoas famintas e, aparentemente não obtendo comida suficiente em casa.

A extensão do abuso de Larry contra suas filhas e outras crianças não é clara. Vários depoimentos judiciais alegaram que ele acariciou Melinda quando criança, molestou a irmã de 13 anos de Marjorie no início do casamento e molestou o primo das meninas, Teddy, dos 10 aos 14 anos. 

Em novembro de 1990, depois que Larry foi pego espionando Melinda e uma amiga, Marjorie o atacou com uma faca; ele foi enviado para o hospital depois de tentar agarrá-la. Ela então tentou o suicídio novamente, e suas filhas chamaram as autoridades. 

Após este incidente, Larry pediu o divórcio e mudou-se para Avon Park, Flórida. Melinda se sentiu muito mal, especialmente quando Larry se casou novamente. Ele mandou cartas para ela por um tempo, brincando com suas emoções, mas acabou cortando todo contato com ela.

Laurie Tackett, 2 das 4 adolescentes envolvidas no assassinato

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mary Laurine “Laurie” Tackett nasceu em Madison, Indiana, em 5 de outubro de 1974. Sua mãe era uma cristã pentecostal e seu pai era um trabalhador comum com duas condenações por crimes nos anos 1960. 

Tackett afirmou que foi molestada pelo menos duas vezes quando criança, aos 5 e 12 anos. Em maio de 1989, sua mãe descobriu que ela estava vestindo jeans na escola e, após um confronto naquela noite, tentou estrangulá- la. 

Assistentes sociais se envolveram e os pais de Tackett concordaram em receber visitas não agendadas para garantir que o abuso infantil não estivesse ocorrendo.

Laurie tornou-se cada vez mais rebelde depois de seu décimo quinto aniversário e também ficou fascinada com o ocultismo. Ela frequentemente tentava impressionar seus amigos fingindo estar possuída pelo espírito de “Deanna, a Vampira”. 

Tackett começou a se machucar, especialmente depois do início de 1991, quando ela começou a namorar uma garota que estava envolvida na prática. Seus pais descobriram a automutilação e a internaram em um hospital em 19 de março de 1991.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ela recebeu uma prescrição de um antidepressivo e também a alta. Dois dias depois, com sua namorada e Toni Lawrence, a garota cortou profundamente os pulsos e retornou ao hospital. Após o tratamento de sua ferida, ela foi internada na ala psiquiátrica do hospital. 

Tackett foi diagnosticada com transtorno de personalidade borderline e confessou que tinha alucinações desde que era uma criança. Ela recebeu alta em 12 de abril.

Transtorno de personalidade Borderline: caracterizado por um padrão generalizado de instabilidade e hipersensibilidade nos relacionamentos interpessoais, instabilidade na autoimagem, flutuações extremas de humor e impulsividade.

Largou o colégio em setembro de 1991.

Tackett ficou em Louisville em outubro de 1991 para morar com vários amigos. Lá ela conheceu Melinda Loveless; as duas se tornaram amigas no final de novembro. 

Em dezembro, Tackett voltou para Madison com a promessa de que seu pai lhe compraria um carro. Ela ainda passava a maior parte do tempo em Louisville e New Albany e, em dezembro, passava a maior parte com Melinda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hope Rippey, 3 das 4 adolescentes envolvidas no assassinato

Hope Anna Rippey nasceu em Madison em 9 de junho de 1976. Seu pai era engenheiro em uma usina elétrica. Os pais se divorciaram em fevereiro de 1984 e ela se mudou com a mãe e os irmãos para Quincy, Michigan, onde viveu por três anos. 

Ela alegou que morar com sua família em Michigan era um tanto turbulento. Seus pais retomaram o relacionamento em Madison em 1987. Ente ela voltou a conviver com as amigas Laurie e Toni Lawrence, que conhecia desde a infância, embora seus pais considerassem Laurie Tackett uma má influência. 

Assim como as outras garotas, Rippey começou a se automutilar aos 15 anos. 

Toni Lawrence, 4 das 4 adolescentes envolvidos no assassinato

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Toni Lawrence nasceu em Madison em 14 de fevereiro de 1976. Seu pai trabalhava em uma caldeira. Ela era amiga íntima de Rippey desde a infância. 

A garota foi abusada por um parente aos 9 anos e estuprada por um adolescente aos 14, embora a polícia só pudesse emitir uma ordem para que o menino se mantivesse afastado de Lawrence. 

A família procurou aconselhamento após o incidente. Porém pouco adiantou, ela se tornou promíscua, começou a se machucar e tentou suicídio enquanto estava na oitava série do colégio.

Contexto pré-assassinato

Em 1990, Melinda, de 14 anos, começou a namorar outra jovem chamada Amanda Heavrin. Depois que o pai de Loveless deixou a família e sua mãe se casou novamente, ela vinha se comportando de maneira estranha. 

Envolveu-se em brigas na escola e relatou estar deprimida, o que resultou em receber aconselhamento profissional. Com o passar do ano, o relacionamento de Melinda com Amanda se deteriorou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Amanda Heavrin então conheceu Shanda Sharer na escola quando elas começaram uma briga; no entanto, elas se tornaram amigas durante a detenção e, mais tarde, trocaram cartas românticas. 

Loveless imediatamente ficou com ciúmes do relacionamento de Heavrin e Sharer. Melinda Loveless tinha o sentimento de ter sua namorada “roubada”.

No início de outubro de 1991, as novas amigas compareceram a um baile da escola, onde Melinda as encontrou e conforontou.

Embora Amanda Heavrin e Loveless nunca tivessem terminado formalmente seu relacionamento, Melinda Loveless começou a namorar uma garota mais velha.

Depois que Amanda Heavrin e Shanda compareceram a um festa juntas no final de outubro, Melinda por puro ciúmes começou a discutir o assassinato de Sharer e a ameaçou em público.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os pais de Sharer, preocupados com os efeitos do relacionamento de Heavrin com sua filha, providenciaram sua transferência para uma escola católica no final de novembro. Amanda afirma que ela deu cartas que Melinda enviou contendo ameaças de morte contra Shanda a um “promotor jovem”, mas ele nunca fez nada sobre isso, pelo que ela sabia. 

Caso pré-meditado

Na noite de 10 de janeiro de 1992, Toni Lawrence (15 anos), Hope Rippey (15) e Laurie Tackett (17) dirigiram seu carro de Madison para a casa de Melinda em New Albany. 

Rippey e Lawrence, embora ambas amigas de Tackett, não haviam conhecido Melinda (16). Na chegada, elas pegaram emprestado algumas roupas da garota, e ela lhes mostrou uma faca, dizendo que iria assustar Sharer. 

Embora as garotas nunca tivessem conhecido Shanda antes daquela noite, Laurie já sabia do plano para intimidar a menina de 12 anos. Melinda explicou às duas outras meninas que não gostava de Sharer por ser um imitadora e por roubar sua namorada.

Laurie deixou Hope Rippey levar as quatro meninas para Jeffersonville, onde Sharer se hospedava com seu pai nos fins de semana, parando em um restaurante McDonald’s no caminho para pedir informações. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Elas chegaram à casa de Sharer pouco antes de escurecer. Melinda instruiu Rippey e Lawrence para irem até a porta e se apresentarem como amigas de Amanda Heavrin, e então convidar Sharer para ir encontrá-la no “Castelo da Bruxa”, ou Mistletoe Falls, uma casa de pedra em ruínas localizada em uma colina isolada com vista para o rio Ohio .

Sharer disse que não poderia ir porque seus pais estavam acordados, e disse às meninas para voltarem por volta da meia-noite, algumas horas depois. Melinda ficou com raiva no início, mas Rippey e Lawrence pediram a ela que tivesse paciência.

As quatro garotas cruzaram o rio para Louisville e compareceram a um show de punk rock da banda Sunspring perto da Interstate 65. Toni e Hope perderam rapidamente o interesse pela música e foram para o estacionamento do lado de fora, onde se envolveram em atividades sexuais com dois meninos no carro de Laurie.

Eventualmente, as quatro meninas foram para a casa de Sharer. Durante a viagem, Melinda oscilava suas expectativas, ora dizendo que ia matar Shanda e ora afirmando que só usaria a faca para ameaçá-la.

Quando chegaram à casa de Sharer às 00h30min, Lawrence se recusou a chamá-la, então Tackett e Rippey foram até a porta. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Melinda se escondeu sob um cobertor no banco de trás do carro com a faca.

Sequestro

Rippey disse a Sharer que Heavrin ainda estava no Castelo da Bruxa. Ela estava relutante em ir com elas, mas concordou depois de trocar de roupa. Quando elas entraram no carro, Rippey começou a questionar Sharer sobre seu relacionamento com Heavrin. 

Melinda Loveless então saltou do banco de trás, colocou a faca na garganta de Sharer e começou a interrogá-la sobre seu relacionamento sexual com Heavrin. Elas dirigiram em direção ao Castelo da Bruxa. 

Laurie Tackett disse às meninas que uma lenda local contava que a casa já foi propriedade de nove bruxas e que os moradores da cidade incendiaram a casa. 

No Castelo da Bruxa, eles levaram Shanda aos prantos para dentro e amarraram seus braços e pernas com uma corda. Lá, Melinda zombou de que ela tinha um cabelo bonito e se perguntou como ela ficaria se eles o cortassem, o que assustou Sharer ainda mais. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Loveless começou a tirar os anéis da vítima e entregou um para cada menina. Em algum ponto, Rippey pegou o relógio do Mickey Mouse de Sharer e dançou conforme a melodia que tocava. 

Tackett zombou ainda mais de Sharer, alegando que o Castelo da Bruxa estava cheio de restos humanos e que os seus seriam os próximos. Para ameaçar ainda mais, Laurie pegou uma camisa com um desenho sorridente do carro e a incendiou, mas imediatamente temeu que o fogo fosse detectado pelos carros que passavam, então as meninas partiram levando Shanda consigo.

Durante a viagem de carro, Sharer continuou implorando para que a levassem de volta para casa. Melinda ordenou que ela tirasse seu sutiã, que então entregou a Rippey, que tirou o seu próprio e o substituiu pelo de Sharer enquanto dirigia o carro. 

Elas se perderam, então pararam em um posto de gasolina e cobriram Sharer com um cobertor. Enquanto Laurie entrava para pedir informações, Toni ligou para um garoto que ela conhecia em Louisville e conversou por vários minutos para acalmar suas preocupações, mas não mencionou o sequestro de Sharer. 

Elas voltaram para o carro, mas se perderam novamente e pararam em outro posto de gasolina. Lá, Lawrence e Rippey avistaram alguns meninos e conversaram com eles antes de voltarem para o carro e irem embora, chegando algum tempo depois à beira de um bosque perto da casa de Laurie em Madison.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A tortura se intensifica

ATENÇÃO: o parágrafo a seguir descreve detalhes de sessões de tortura e violência, se você é sensível a estes temas não continue esta leitura!

Tackett os conduziu a um depósito de lixo escuro próximo a uma estrada de chão em uma área densamente florestada. Lawrence e Rippey ficaram assustadas e permaneceram no carro. 

Melinda e Laurie fizeram Shansa ficar nua; então, Loveless bateu em Sharer com os punhos. Em seguida, bateu repetidamente o rosto da vítima em seu joelho, o que cortou a boca de Sharer em seu próprio aparelho dentário. 

Na sequência tentou cortar sua garganta, mas a faca era muito cega. Rippey saiu do carro para segurar Sharer. 

Melinda e Laurie se revezaram para esfaqueá-la no peito. Elas então estrangularam Sharer com uma corda até ela ficar inconsciente, colocaram-na no porta-malas do carro e disseram às outras duas meninas que ela estava morta. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As meninas dirigiram até a casa próxima de Tackett e entraram para beber refrigerante e se limpar. Quando eles ouviram Sharer gritando no porta-malas, Tackett saiu com uma faca e esfaqueou-a várias vezes, voltando alguns minutos depois coberta de sangue. 

Após se lavar, Laurie leu o futuro das meninas com suas “pedras rúnicas”. 

Às 2h30min, Lawrence e Rippey ficaram para trás enquanto Tackett e Loveless faziam um “cruzeiro pelo campo”, dirigindo para a cidade vizinha de Canaã.

Shanda continuou a chorar e borbulhar, então elas decidiram parar o carro. Quando abriram o porta-malas, Sharer se sentou, coberta de sangue e com os olhos revirados, mas incapaz de falar. Tackett bateu nela com um pneu de ferro até que ficasse silêncio, e então disse a Melinda para “cheirá-la”.

Loveless e Tackett voltaram para a casa de Tackett pouco antes do amanhecer para se limpar novamente. Rippey perguntou sobre Sharer, e Tackett rindo descreveu a tortura. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A conversa acordou a mãe de Laurie, que gritou com a filha por estar atrasada e trazer as meninas para casa, então Tackett concordou em levá-las de volta. Ela dirigiu até a pilha de queima, onde abriram o porta-malas para olhar para Sharer. Lawrence recusou. 

Rippey borrifou Windex em Sharer e zombou: “Você não está tão gostosa agora, está?”

Windex: marca americana de limpador de vidros e superfícies duras que foi inventada pela Drackett Company em 1933 e foi comercializada ao longo das décadas seguintes.

Shanda Sharer, queimada viva

As garotas dirigiram até um posto de gasolina perto da Madison Consolidated High School, colocaram um pouco de gasolina no carro e compraram uma garrafa de dois litros de Pepsi.

Tackett serviu a Pepsi e depois encheu a garrafa com gasolina. Eles dirigiram ao norte de Madison, passando pelo Jefferson Proving Ground até a Lemon Road, na US Route 421, um lugar conhecido por Rippey. Lawrence permaneceu no carro enquanto Tackett e Rippey embrulharam Shanda, que ainda estava viva, em um cobertor e a carregaram para um campo perto da estrada de cascalho.

Tackett fez Rippey derramar gasolina em Sharer e eles a incendiaram. Melinda não estava convencida de que tinham a matado, então voltaram alguns minutos depois para derramar o resto da gasolina nela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sem um pingo de remorso

As meninas foram a um restaurante McDonald’s às 9h30min para o café da manhã, onde riram sobre o corpo de Sharer parecendo uma das salsichas que estavam comendo. 

Lawrence então ligou para uma amiga e contou a ela sobre o assassinato. Tackett então deixou Lawrence e Rippey em suas casas e finalmente voltou para sua própria casa com Loveless. Ela disse a Amanda Heavrin que elas haviam matado Shanda Sharer e combinado de pegá-la mais tarde naquele dia.

Uma amiga de Melinda, Crystal Wathen, foi até a casa de Loveless e elas lhe contaram o que havia acontecido. Então, as três garotas foram buscar Amanda e a levaram de volta para casa de Melinda, onde contaram a história com detalhes a Heavrin. 

Amanda e Crystal ficaram horrorizadas e pareciam relutantes em acreditar na história até que Tackett mostrou a elas o porta-malas do carro com as impressões das mãos e meias ensanguentadas de Sharer ainda presentes. 

Heavrin passou mal e pediu para ser levada para casa. Quando pararam em frente a sua casa, Melinda beijou Heavrin, disse que a amava e implorou que não contasse a ninguém. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Amanda Heavrin prometeu que não falaria nada.

Descoberta do corpo

Em 11 de Janeiro de 1992, dois irmãos, residentes de Canaã, dirigiam por uma estrada até que avistaram algo que parecia ser um corpo à beira da estrada.

Eles chamaram a polícia que inicialmente suspeitou que um negócio de drogas deu errado e não acreditaram que o crime tivesse sido cometido por moradores.

O pai de Sharer, Steven, notou que a filha não estava em lugar nenhum na manhã de 11 de janeiro. Depois de telefonar para vizinhos e amigos durante toda a manhã, ele ligou para sua ex-esposa às 13h45min. Eles se encontraram e preencheram um relatório de pessoa desaparecida com o xerife do condado de Clark.

Às 20h20min, após uma crise histérica Lawrence e Rippey foram ao escritório do xerife do condado de Jefferson com os pais. Ambas deram declarações muito desconexas, identificando a vítima como “Shanda”, nomeando as duas outras garotas envolvidas da melhor maneira que puderam e descrevendo os principais acontecimentos da noite anterior. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Shippley contatou o xerife do condado de Clark e finalmente conseguiu comparar o corpo com o relatório de desaparecimento de Shanda Sharer.

Os detetives obtiveram registros dentários que identificaram positivamente Sharer como a vítima. Melinda e Laurie foram presas em 12 de janeiro.

A maior parte das evidências para o mandado de prisão foram as declarações de Lawrence e Rippey. 

A promotoria imediatamente declarou sua intenção de julgar Loveless e Tackett como adultas. Por vários meses, os promotores e os advogados de defesa não divulgaram nenhuma informação sobre o caso, dando à mídia apenas as declarações de Lawrence e Rippey.

Todas as quatro meninas foram acusadas e julgadas como adultas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para evitar a pena de morte, as adolescentes aceitaram acordos judiciais.

Considerações Finais

Laurie Tackett e Melinda Loveless foram condenadas a sessenta anos na Prisão Feminina de Indiana, em Indianápolis. Tackett foi libertada em 2018 e cumpriu pena de prisão preventiva por um ano. 

Loveless foi libertada em setembro de 2019.

Rippey foi condenada a sessenta anos, com mais dez anos por circunstâncias atenuantes e ainda mais dez anos de liberdade condicional de supervisão média. 

Na apelação, um juíz reduziu a sentença para trinta e cinco anos. Em troca de sua cooperação, Lawrence foi autorizada a se declarar culpada de uma acusação de confinamento criminal e foi condenada a no máximo vinte anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Juliane Cunha

27 anos, trabalho na área da saúde. Adoro escrever e também adoro casos criminais, nada melhor que unir o útil ao agradável. Me segue no Instagram @julianesantt | @casocriminal_