Início » Casos Asiáticos » Mirna Salihin, envenenada pela melhor amiga

Mirna Salihin, envenenada pela melhor amiga

Mirna Salihin morreu após tomar um café gelado. O que ninguém imaginava, era que tudo fazia parte do plano de sua melhor amiga.

Wayan Mirna Salihin nasceu em 30 de março de 1988 junto com sua irmã gêmea chamada Sandy, em Jakarta, capital da Indonésia. Filha do empresário Edi Darmawan Salihin, Mirna teve uma infância feliz, e em sua adolescência percebeu um talento para o design.

Após formar-se no colegial em 2007, Mirna embarcou para a Austrália com o objetivo de fazer uma faculdade. Ela matriculou-se na Billy Blue College of Design, em Sidney.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Rapidamente, Mirna fez amizade com outros jovens também vindos da Indonésia, e Jessica Kumala Wongso tornou-se uma de suas melhores amigas.

Destaque a esquerda para Mirna Salihin e destaque a direita para Jessica Kumala. / Foto: Facebook.

Ao término da faculdade, Jessica já havia adquirido cidadania australiana e por isso decidiu continuar morando no país, enquanto Mirna e as outras jovens retornaram para suas famílias na Indonésia.

Viagem para rever os amigos

Em nova viagem para a Austrália em 2014, Mirna decide rever alguns amigos da época de faculdade, incluindo Jessica. Durante todos estes anos as duas se falaram por mensagens e ligações telefônicas, e apesar de Mirna ter a impressão que a amizade já não era a mesma, insistiu para que as duas fossem almoçar em um restaurante.

Durante a refeição, Jessica comentou sobre um novo namorado e falou sobre problemas no relacionamento, Mirna lhe deu alguns conselhos que não foram bem recebidos. A jovem comentou que talvez Jessica devesse rever o relacionamento, e que ele não a estava tratando como ela merecia.

Neste instante Jessica ficou furiosa e levantou da mesa no mesmo instante, ela nem sequer pagou a conta antes de sair, fazendo com que Mirna arcasse com todas as despesas. As duas não se falaram mais a partir daquele momento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fim do relacionamento de Jessica Kumala

No ano de 2015, um ano após o mal entendido do restaurante, o relacionamento de Jessica chegou ao fim. Isso a deixou extremamente abalada emocionalmente. Jessica chegou a tentar suicídio por quatro vezes e precisou passar alguns períodos internada para tratar uma depressão profunda.

Após ganhar alta do hospital, Jessica tornou-se dependente de bebida alcoólica. Ela chegou a se envolver em um grave acidente de trânsito enquanto dirigia embriagada, por sorte escapou com apenas algumas costelas quebradas e escoriações pelo corpo.

Jessica também perdeu seu emprego, o abuso de álcool junto com o comportamento errante impediu que ela realizasse as tarefas de acordo com o que seu empregador esperava, o que acarretou em uma demissão.

A garota se sentia frustrada e abandonada, mais ainda quando observava a vida de suas amigas em redes sociais. Todas pareciam bem, estavam em seus empregos dos sonhos e Mirna Salihin estava noiva.

No final de 2015, Jessica ficou sabendo através de fotos do perfil de Mirna, que ela havia se casado. A notícia não lhe caiu bem, pois a garota estava se casando e Jessica foi a única das amigas a não ser convidada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Casamento de Mirna Salihin. / Foto: Reprodução.

Retorno para Jakarta

Meses após, Jessica liga para sua família e os avisa que está voltando para a Indonésia, o que lhe faria muito bem já que a Austrália não lhe trazia boas lembranças. Assim que chegou em Jakarta, ela demonstrou interesse em ver suas antigas amigas, incluindo Mirna.

Dois dias após seu desembarque, Jessica ligou para Mirna combinando uma saída para tomar café. Mirna ficou um pouco intrigada, mas seu marido sugeriu que ela convidasse uma terceira amiga, assim o encontro seria menos tenso.

Café gelado vietnamita

Às 15h32 do dia 6 de janeiro de 2016, Jessica Kumala Wongso, de 27 anos chegou ao Shopping Grand Indonesia para encontrar as amigas. O café estava marcado para 17h, mas mesmo assim Jessica entra no lugar, dá algumas voltas pelo salão, senta-se em uma mesa e depois decide ir embora.

Cerca de 40 minutos depois, Jessica retorna ao café carregando três sacolas de presente. Mais uma vez ela entra e dá algumas voltas pelo salão, faz contato visual com algumas câmeras de segurança e parece escolher cuidadosamente uma mesa.

Mesmo faltando mais de meia hora para o horário combinado, Jessica fez o pedido de bebidas para ela e para as duas amigas. Ela escolheu um café gelado vietnamita, que mais tarde seria oferecido a Mirna.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No momento em que as bebidas chegaram, Jessica posicionou as sacolas de presente em volta dos copos, evitando assim que outros clientes ou câmeras de segurança a vissem.

Às 17h15min, Mirna e a outra amiga chegam ao local. Tudo parece normal, as três se abraçam e seguem em direção a mesa. Jessica oferece o café gelado para Mirna, ela toma alguns goles e segundos depois começa a se abanar e tossir.

As amigas chamam o garçom e Mirna diz a ele que não se sente bem, e que o gosto do café gelado está diferente do normal. Antes que pudesse terminar a próxima frase, Mirna desmaia e cai da cadeira.

Muitas pessoas partem para ajudá-la, alguns clientes do café sugerem que ela pode estar tendo uma crise epilética. Neste momento o comportamento de Jessica destoa dos demais, ela parece estar mais interessada em por a culpa na cafeteria do que em ver sua amiga retornar do desmaio.

Ela insinuava, alterada, que alguém deveria ter posto algo na bebida da amiga. Visto a cena, o dono do estabelecimento recolheu o café gelado da mesa e o levou para a cozinha. Neste mesmo instante, uma ambulância já havia chegado ao local para fazer a remoção de Mirna para o hospital.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mirna infelizmente não resiste

O hospital ficava cerca de cinco minutos do Shopping, mesmo assim Mirna deu entrada na emergência já sem vida.

Enquanto isso, na cafeteria, o dono do estabelecimento checava as máquinas de café e ouvia seus funcionários. Naquela mesma tarde foram servidos outros dez cafés gelados, e nenhum outro cliente reclamou do gosto ou passou mal.

A partir disso a polícia foi acionada. Infelizmente o café de Mirna foi descartado por funcionários do café, impedindo que uma análise de substâncias fosse feita.

Em busca de respostas

Em 10 de Janeiro, quatro dias após o falecimento de Mirna, um médico legista testemunhou que os intestinos da vítima apresentavam corrosão, o que era compatível com envenenamento por cianeto.

Uma autópsia formal não foi feita no corpo, visto que por questões religiosas do país, tal procedimento não é aceito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Clientes e funcionários do café pontuaram o comportamento de Jessica desde sua chegada no café até o momento em que passou a acusar o estabelecimento de ter alterado a bebida. Revisando as câmeras de segurança, a polícia percebeu que realmente havia algo errado com Jessica.

O comportamento dela no funeral de Mirna, também levantou suspeitas. Ela não chorou em nenhum momento, por vezes parecia aérea e até sorria de vez em quando.

Acusada de assassinato

Em 30 de janeiro de 2016, Jessica Kumala Wongso foi formalmente acusada de assassinato premeditado de Mirna Salihin e foi levada sob custódia.

Jessica Kumala Wongso durante seu julgamento. / Foto: Reprodução.

O julgamento, que durou quase 5 meses, foi transmitido ao vivo e se tornou um espetáculo nacional. Em 27 de outubro de 2016, Jessica Kumala Wongso foi considerada culpada do assassinato de Wayan Mirna Salihin ao colocar veneno em seu café. Ela foi condenada a 20 anos de prisão.

Detalhes sobre o caso

Investigadores conversaram com o ex-patrão de Jessica na Austrália, ele disse que percebia um comportamento de ódio nela sempre que era questionada sobre alguma tarefa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo ele, com certeza ela seria capaz de ferir ou matar alguém, visto que, uma vez já tinha dito a colegas que caso fosse preciso ela sabia como acabar com a vida de uma pessoa. E para piorar, durante uma discussão de trabalho, Jessica teria dito a seu chefe que ele merecia morrer.

A polícia da Indonésia trabalhou em conjunto com as autoridades da Austrália. Em troca de informações e livre acesso aos relatórios da jovem, a polícia australiana pediu que a pena de morte não fosse utilizada neste caso, independente do desfecho.

Colegas de trabalho revelaram ameaças de Jessica, e uma ordem de restrição feita por um ex-namorado dela também veio à tona.

O Jakarta Post (jornal local) disse que “de acordo com a acusação, os juízes concluíram que Jessica assassinou Mirna em vingança por repetidamente dizer a ela para terminar com Patrick O’Connor, seu ex-namorado australiano”.